linguístico

A raposa e as uvas

Parreiral

 

Contam que certa raposa,

Andando muito esfaimada,

Viu roxos, maduros cachos

Pendentes d’alta latada.

 

De bom grado os trincaria,

Mas sem lhes poder chegar,

Disse: ”Estão verdes, não prestam,

Só cães os podem tragar!”

 

Eis cai uma parra, quando

Prosseguia seu caminho,

E, crendo que era algum bago,

Volta depressa o focinho.

(Jean de La Fontain

Enhanced by Zemanta

Sobre o autor

Carmem Sueli

Meu nome é Carmem Sueli, sou professora de Língua Portuguesa do ensino fundamental maior com formação em Licenciatura Plena em Letras -Português na Universidade Federal do Piauí e Especialista em Cultura Afrodescendente e Educação Brasileira pela mesma universidade. Aqui você pode tirar suas dúvidas e aumentar as minhas, pode também perguntar, responder... o único problema que vamos enfrentar é minha incipiência com esse instrumento de trabalho, mas vamos lá!