Poesia

NATAL

Jesus nasceu ! Na abóbada infinita
Soam cânticos vivos de alegria;
E toda a vida universal palpita
Dentro daquela pobre estrebaria …
Não houve sedas, nem cetins, nem rendas
No berço humilde em que nasceu Jesus …
Mas os pobres trouxeram oferendas
Para quem tinha de morrer na Cruz.
Sobre a palha, risonho, e iluminado
Pelo luar dos olhos de Maria,
Vede o Menino-Deus, que está cercado
Dos animais da pobre estrebaria.
Não nasceu entre pompas reluzentes;
Na humildade e na paz deste lugar,
Assim que abriu os olhos inocentes,
Foi para os pobres seu primeiros olhar.
No entanto, os reis da terra, pecadores,
Seguindo a estrela que ao presépio os guia.
Vêem cobrir de perfumes e de flores
O chão daquela pobre estrebaria.
Sobrem hinos de amor ao céu profundo;
Homens, Jesus nasceu ! Natal ! Natal !
Sobre esta palha está quem salva o mundo,
Quem ama os fracos, quem perdoa o Mal !
Natal ! Natal ! Em toda Natureza
Há sorrisos e cantos, neste dia …
Salve, Deus da Humildade e da Pobreza,
Nascido numa pobre estrebaria !
Olavo Bilac
Um Natal cheio de luz e alegria para todos.
Boas festas e feliz Ano novo!

Sobre o autor

Carmem Sueli

Meu nome é Carmem Sueli, sou professora de Língua Portuguesa do ensino fundamental maior com formação em Licenciatura Plena em Letras -Português na Universidade Federal do Piauí e Especialista em Cultura Afrodescendente e Educação Brasileira pela mesma universidade. Aqui você pode tirar suas dúvidas e aumentar as minhas, pode também perguntar, responder... o único problema que vamos enfrentar é minha incipiência com esse instrumento de trabalho, mas vamos lá!