Breaking News
Home / Poesia / Remorso

Remorso

Neste d'Aure

Às vezes uma dor me desespera…

Nestas ânsia e dúvidas em que ando

Cismo e padeço, neste outono, quando

Calculo o que perdi na primavera.

 

Versos e amores sufoquei calando

Sem os gozar numa explosão sincera…

Ah! Mas cem vidas! Com que ardor quisera

Mais viver, mais penar e amar cantando!

 

Sinto o que desperdicei na juventude;

Choro neste começo de velhice,

Mártir da hipocrisia ou da virtude.

 

Os beijos que não tive por tolice,

Por timidez o que sofrer não pude,

E por pudor os versos que não disse!

Olavo Braz  Martins dos Guimarães Bilac

Enhanced by Zemanta

Bom ler também!

ULTIMATUM

Mandato de despejo aos mandarins do mundo Fora tu, reles esnobe plebeu E fora tu, …