Breaking News
Home / Poesia / SONETO

SONETO

Rosas
Rosas (Photo credit: Wikipedia)

Não te peço a ventura desejada,
Nem os sonhos que outrora tu me deste,
Nem a santa alegria que puseste
Nessa doce esperança, já passada.

O futuro de amor que prometeste
Não te peço! Minha alma angustiada
Já te não pede, do impossível, nada,
Já te não lembra aquilo que esqueceste!

Nesta mágoa sorvida, ocultamente,
Nesta saudade atroz que me deixaste,
Neste pranto, que choro ainda por ti,

Nada te peço! Nada! Tão-somente
Peço-te agora a paz que me roubaste,
Peço-te agora a vida que perdi!

(Lindo poema que Amélia de Oliveira supostamente dedicou ao seu eterno noivo, Olavo Bilac.)

Enhanced by Zemanta

Bom ler também!

ULTIMATUM

Mandato de despejo aos mandarins do mundo Fora tu, reles esnobe plebeu E fora tu, …