Poesia

Veludo áspero

Noite

Para falar do medo

chamo a noite,

seu veludo áspero

na garganta.

Chamo as raízes

apodrecidas no cerne

da terra,

chamo as notas

estridentes

de um violino quebrado.

Para falar do medo,

escrevo no mural

a palavra mortal

Roseana Murray

Enhanced by Zemanta